Onde e como estamos seguros?

LUA CHEIA EM CARANGUEJO

30 de Dezembro de 2020

Esta fase chama-nos para percebermos o que nos faz sentir mais seguros. Sentimo-nos normalmente mais seguros em situações e com pessoas que conhecemos desde sempre, ou pelo menos há muito tempo. Temos um sentimento de «segurança» quando fazemos as coisas da mesma forma que vimos os outros fazer, desde que éramos crianças. No «modo de segurança», colocamos o piloto automático no controlo e fechamo-nos cá dentro.

Photo by Jonathan Borba on Pexels.com

Sentimo-nos mais seguros quando tudo é como sempre foi. Queremos, quase sempre, ignorar que a mudança é a única constante da vida. Agora, temos incertezas acerca do que aí vem e duvidamos que seja possível fazer alguma coisa quanto a isso, acabando por sentir ansiedade e medo. Ah, como tudo era tão melhor antes, com as certezas e a confiança… Ou melhor, com a dormência e a inconsciência que nos deixavam ser arrogantes o suficiente para acreditar que o futuro era garantido.

No fim do ano, gostamos de olhar para a frente, fazer planos… Mas antes, temos de olhar para trás. O que conseguimos? O que ultrapassámos? O que aprendemos? Este ano tivemos muito tempo para pensar, para avaliar o que precisa de ficar para trás e o que precisa que lhe demos mais importância. Tivemos oportunidade para amadurecer emocionalmente e para avaliarmos as ligações que temos com os outros.

A Lua está em oposição ao Sol, como em todas as Luas Cheias, mas nesta estão os dois em quadratura com Quíron, o «curador ferido». Ou seja, temos de trazer alguma luz às nossas feridas emocionais, temos de olhar para as nossas inseguranças, para os nossos sentimentos de inadequação. Claro que não é só «olhar», o tempo é mesmo para «sentir». Vamos sentir essas inseguranças, vamos sentir medos, vamos ter saudades de pessoas e situações do passado e vamos sentir-nos como um peixe fora de água, de alguma forma, a lutar para sobreviver num ambiente diferente …

Photo by Engin Akyurt on Pexels.com

Felizmente, não somos peixes. Somos seres altamente adaptáveis. E se escolhermos parar de desejar o que já foi e começarmos a perceber que novas atitudes temos de tomar para nos adaptarmos ao que é, voltaremos a sentir-nos seguros, voltaremos a sentir-nos «em casa».

A Vénus em conjunção com a Cauda do Dragão também nos faz viajar agora ao passado, pensar nas pessoas que já passaram pelas nossas vidas, pensar no que aprendemos (ou não) com cada uma. Como tem sido a nossa maneira de nos relacionarmos com os outros? Será que tendemos a projetar imensas expectativas nos outros e nos esquecemos de apreciar quem eles são, realmente? Será que fazemos o mesmo connosco, acabando por nos castigar a cada imperfeição e desilusão?

Photo by cottonbro on Pexels.com

Não podemos basear a nossa vida e as nossas relações em expectativas e ilusões de perfeição. Temos de nos dar espaço e tempo para fazermos o nosso melhor, qualquer que seja o nosso melhor hoje. Precisamos de mais compreensão e compaixão, hoje. E, antes demais, connosco. Depois de conseguirmos fazer isso, de aprendermos a deixar de ser tão duros e críticos connosco, podemos começar a perdoar os outros. Todos estamos num caminho de evolução, é importante relembrarmos isso.

Photo by Anastasiya Lobanovskaya on Pexels.com

De cada vez que respondemos com aspereza e dureza a um erro (normalmente fazemos isso com os nossos próprios erros), estamos a bloquear a aprendizagem. Temos de nos lembrar de sermos mais compreensivos, mais pacientes, mais flexíveis, connosco e com quem temos por perto. Cada um tem uma criança ferida por dentro (umas mais feridas que outras), normalmente por falta de valorização. Cada um precisa de aprender a ser mãe ou pai dessa criança, precisa de lhe mostrar que ela é capaz, que ela é importante, que ela é única e incomparável.

Photo by Alex Green on Pexels.com

Num tempo para sentir, precisamos de não tentar fugir e de querer tapar emoções com comida, bebida, TV, redes sociais, … Vai chegar a impaciência, vai chegar a frustração, vai chegar a insegurança, vai chegar o medo e precisamos de aceitar isso, precisamos de aceitar as emoções que tivermos, que nos podem parecer bichos feios e maus num mundo construído de fachadas e aparências. Precisamos senti-las para libertá-las. Se tentarmos fugir, elas correm atrás. Se ficarmos e as olharmos de frente, se as sentirmos com atenção, elas perdem poder, transformam-se, porque nos transformamos.

Que saibamos aproveitar esta Lua Cheia para ganharmos maior equilíbrio interior e seguirmos renovados para o novo ano!

Um Feliz Ano Novo para todos!

Eclipse em Sagitário

O novo capítulo da nossa vida está a começar – 14 de Dezembro

Photo by Dom J on Pexels.com

Estamos mesmo a chegar ao finalzinho de uma grande fase nas nossas vidas, num ano que marcou tudo e todos. Três grandes planetas juntaram-se em Capricórnio e testaram a nossa capacidade de organização, testaram a nossa disciplina, a nossa resistência. Fizeram-nos encarar a realidade do mundo físico e as suas limitações. Fizeram-nos enfrentar medos e contribuíram para percebermos melhor a diferença entre o que está nas nossas mãos controlar e o que não está.

Agora, no fim de um ano memorável, que foi desafiante para todos, vamos ter um eclipse em Sagitário, uma oportunidade para começarmos a dar maior significado às nossas vidas.

Ainda por cima, temos a Grande Conjunção, a conjunção entre Saturno e Júpiter em Aquário, que anda a ser anunciada por aí como a «Estrela de Natal», pois eles vão estar tão juntos no Céu que vão parecer apenas um ponto brilhante e enorme.

Portanto… Este fim de ano, mais do que em qualquer outro, é uma altura para nos comprometermos com grandes mudanças. Não, não é altura de fazer desejos às passas, nem às estrelas, cadentes ou não… É, isso sim, altura de nos comprometermos com as mudanças que queremos fazer. É altura de criarmos uma vida diferente, porque a Grande Conjunção lança-nos num novo ciclo de 20 anos: «A Grande Conjunção» Dezembro 2020 – Centro Alma

No dia 10, a Lua, em Balança, faz quadratura a Plutão, a Júpiter e a Saturno. Isto quer dizer que precisamos de pensar naquilo que precisamos de alterar para tornarmos a nossa vida mais harmoniosa, mais pacífica, mais bela… Ou seja… Surgem ou tornam-se mais nítidas situações pouco harmoniosas, pouco pacíficas, pouco belas, de forma a nós fazermos o que temos a fazer, tomarmos decisões diferentes a partir de agora para rumar na direção que pretendemos. Ah… Muitas destas situações vão parecer «culpa do outro», mas não podemos ficar simplesmente à espera de que o «outro» mude para nos agradar. Nem nós nos conseguimos agradar em tudo. Por isso, este dia será melhor empregue em negociações, conversando e percebendo de que forma podemos contribuir para o maior bem estar do outro e deixando-os saber também aquilo que é importante para nós.

Mas temos sempre de recordar que, antes de nos relacionarmos com qualquer outra pessoa, estamos numa relação connosco, e esta pode estar também desequilibrada. É altura de organizarmos os nossos dias de forma a darmos mais tempo àquilo que é mais importante para nós. Muitas vezes despendemos demasiado tempo em assuntos e situações que não nos trazem crescimento nem realização. É altura de olharmos para as nossas prioridades e de agir de acordo com elas.

No dia 11, a Lua entra em Escorpião e faz uma oposição a Úrano, enquanto o Sol, junto da Cauda do Dragão, faz um trígono a Marte. Esta energia é excelente para libertarmos estagnações e medos e colocarmos as coisas em andamento, finalmente! Visitamos o passado para perceber o que queremos largar, mas também para retomarmos ideias de valor que possam ter sido esquecidas… Podemos ter de olhar para situações que foram traumáticas para nós e procurar a cura, através da mudança de perspetiva e da mudança de atitude. É a interpretação que fazemos dos acontecimentos da nossa vida que vai ditar o nosso nível de felicidade. Embora nem tudo o que acontece esteja sob o nosso controlo, a maneira como vemos as coisas está. A interpretação que fazemos do mundo é uma escolha nossa, embora isso não seja claro para muitos…

O eclipse em Sagitário vem recordar-nos o poder que temos para dar significado à nossa vida. É altura para vermos as coisas de uma perspetiva mais elevada, o que aumenta o raio de visão. É altura de tirarmos as palas e olharmos em redor. Podemos ter andado a ignorar pontos importantes, por nos termos focado demasiado apenas numa coisa…

Alargar os horizontes, procurar ativamente o conhecimento que precisamos de ter é essencial, para agirmos de forma mais informada e cientes do que estamos a fazer.

É altura de procurarmos mais respostas, de recuperarmos a busca pela nossa Verdade. É altura de descobrirmos algumas verdades… Sobre nós e sobre o mundo… É uma fase de descobertas… Contudo, haverá alguma confusão, algumas incertezas, ilusões… Quando não sabemos em quem confiar, em quem acreditar, temos de ser nós a procurar a verdade, temos de nos virar para dentro e aprender a sentir o que é verdade.

Este eclipse dá-nos uma oportunidade enorme para nos voltarmos a alinhar com a visão que temos para a nossa vida e agir de acordo com isso.

Pelo meu ponto de vista, este ano serviu para colocarmos os pés na terra. Infelizmente, muitos foram levados a enterrar-se completamente. Agora é altura de nos reerguermos, de levantar de novo a cabeça e olharmos em frente, não só para o próximo ano, mas para os próximos 20 anos.

Feliz Eclipse!

Fim de Novembro em grande

Aprender a usar melhor a ferramenta que (supostamente) existe dentro do crânio.

Eclipse da Lua em Gémeos – dia 30

Photo by David Cassolato on Pexels.com

O fim deste mês aproxima-se a passos largos e rápidos e promete muito. Porquê? Começa a época dos eclipses! São alturas mais intensas em que ocorrem maiores alterações de energia. Vemos a energia dos últimos 6 meses (aproximadamente) a culminar e preparamo-nos para o início de fases e projetos para os próximos 6 meses (pelo menos).

Mas antes de lá chegarmos, ainda temos uma semana especial pela frente.

Antes de mais, o Sol já entrou em Sagitário! Tenho a impressão que é sempre um alívio, quando termina a época de Escorpião e começa a de Sagitário. As coisas tornam-se mais suportáveis, mais leves, como se a viagem pelo túnel escuro e assustador terminasse e, finalmente, víssemos luz. Pessoalmente, até gosto destas excursões à terra das sombras, o que deve ser coisa de gente com a Lua em Escorpião… Não que sejam agradáveis… E talvez seja difícil conceber que haja um gosto por aquilo que é desagradável… O que acontece é que sei que estes períodos são muito recompensadores a longo prazo.

Podemos passar por um mau bocado, com medos, ansiedades, dúvidas, invejas, desconfianças, e tudo o mais que preferiríamos não sentir… Mas se tivermos feito um trabalho interior honesto e corajoso, descobrimos tesouros de valor incalculável em nós e nas nossas vidas e conseguimos dar mais alguns passos (ou saltos) na nossa evolução. Saímos transformados depois da exploração daqueles recantos ocultos.

A entrada do Sol em Sagitário é sempre uma lufada de ar fresco, que nos ilumina o caminho em frente e nos alarga o horizonte. Encontramos muito mais possibilidades, muito mais potencialidades e encontramos de novo o entusiasmo por fazer o melhor que pudermos com o que temos. Muitas vezes, somos mais limitados pela nossa perceção do que pela «realidade». Chegou aquela fase do ano em que devemos procurar desenvolver uma nova visão sobre as coisas. É a maneira como vemos o mundo que vai mudar o mundo. Aquilo em que acreditamos vai ditar aquilo que seremos capazes de criar, de fazer acontecer.

Nos dias 23 e 24, a Lua em Peixes chama-nos para contactarmos a nossa imaginação e criatividade para resolver algumas questões e sair da estagnação que poderá haver em algumas áreas da nossa vida. É certo que pode haver mais preguiça, mais necessidade de descansar… Só temos a ganhar, se ouvirmos e respeitarmos os pequenos sinais do corpo. Enganar o corpo com cafeína ou forçar as suas capacidades só vai piorar tudo mais tarde. Mercúrio fará trígono com Neptuno, tentando relembrar-nos dos nossos sonhos, da idealização que temos para a nossa vida. É altura de voltarmos a acreditar, a ter esperança, de deixar ir o sofrimento. A qualidade da nossa vida está intimamente relacionada com as nossas decisões. E temos sempre o poder de decidir se queremos viver como vítimas das circunstâncias e das decisões dos outros ou se queremos fazer o que estiver ao nosso alcance para sermos mais felizes. A felicidade não está para lá de um acontecimento. A felicidade está depois da decisão de ser-se feliz. Está na escolha de olhar para o que temos de positivo em nós, na nossa vida, está na atitude de gratidão, está na atitude de quem assume fazer o seu melhor hoje e escolhe tentar fazer ainda melhor amanhã.

No dia 25, vai notar-se uma aceleração nas nossas vidas, com a Lua em Carneiro a fazer conjunção com Marte. A mensagem é: agir, fazer acontecer, criar impulso… O que queremos pôr em andamento? O que queremos ver avançar na nossa vida? Em que áreas precisamos de tomar ações concretas?

O Sol aproxima-se de um trígono a Quíron (exato no dia 26), simbolizando cura e alívio das nossas dores, o que acontece devido a dois fatores: o primeiro é o alargamento da nossa visão, que nos leva imperiosamente a ver os nossos problemas de um novo ângulo (quanto mais sabemos, mais fácil se torna resolver os problemas); o segundo é uma vontade acrescida para agir de forma mais adequada.

Não que aconteça um «milagre», no sentido que normalmente lhe é dado… Eu pertenço àquele grupo de pessoas que acha que tudo é um milagre. Acho que até foi a Bioquímica que me deu o assombro dos milagres. O arranjo e a coordenação que tem de acontecer entre milhões e milhões de moléculas para eu poder estar aqui a escrever isto e para vocês poderem estar aqui a ler… É um milagre assombroso, realmente…

O que vai acontecer, entre os dias 25 e 26, é que há uma evolução nas condições à nossa volta e precisamos de adequar (novamente) as nossas ações. O foco estará muito no «Eu», o que «Eu quero», o que «Eu preciso» e embora sejamos lembrados de circunstâncias limitadoras, causadas pelos «outros», pelo ambiente que nos rodeia, o nosso nível de conhecimento e de experiência já é muito mais elevado, permitindo-nos encontrar novas estratégias de bem-estar para o corpo e para a mente.

No dia 26, em especial, poderemos ver e fazer grandes alterações. Mercúrio em sêxtil com Plutão traz descobertas, conversas e notícias intensas, mas transformadoras. É altura de voltarmos a agarrar o poder da nossa mente e das nossas palavras. Quem acha que a sua vida está fora do seu controlo é porque tem os seus pensamentos e palavras fora do controlo. É certo que não podemos controlar tudo, mas quem controla o que diz a si próprio o dia inteiro, na privacidade da sua mente, tem o comando da sua vida. Os pensamentos que temos ao longo do dia vão estar na base dos nossos comportamentos. Podemos escolher entre o «não é possível, não sou capaz, não vai correr bem» ou o «é possível, sou capaz, vou dar o meu melhor» – e é isso que vai ditar o que faremos a seguir e os resultados que obteremos. É isso que está nas nossas mãos. É um poder de que abdicamos de cada vez que nos focamos no lado negativo. Eu tenho-me perguntado porque é que algo para ser uma «notícia» na televisão, tem de ser dramático e negativo (90% das vezes, pelo menos, à exceção do desporto – deve ser só para evitar que toda a gente se suicide)… Porque é que há uma espécie de acordo mundial para manter as pessoas deprimidas ou hipnotizadas com séries de ficção? Porque é que não é do interesse das nações e do mundo fazer com que mais pessoas acreditem na diferença positiva que podem fazer na vida dos outros?

A cereja no topo do bolo, por estes dias, é a Vénus em oposição a Úrano. Também se vai sentir nos dias 26 e 27. Esta energia vai ser bastante surpreendente, não estivesse Úrano envolvido. A intenção é modificar a forma como nos relacionamos com os outros, connosco, com o dinheiro. Contudo é importante manter a consciência elevada e uma intenção muito bem definida, para não sermos apanhados no mundo caótico dos gastos impulsivos e das experiências traumáticas nas relações. Devemos certificar-nos de que o nosso dinheiro vai para coisas que realmente têm valor para nós (as grandes promoções desta altura podem fazer-nos esquecer disto). E também devemos lembrar-nos de que o outro é um espelho alquímico, que nos ajuda a ver o que precisamos transmutar em nós. Este aspeto também denota a necessidade de equilibrarmos proximidade e distância. Nem sempre proximidade física é uma verdadeira união. Em que sentido precisamos de nos unir mais, de ser intimamente mais próximos? Este ano tem sido especialmente traumático nesta área, mas talvez tenha trazido muitos problemas ocultos à superfície, que é onde se podem realmente resolver… É tempo de trazer honestidade e intenção focada às nossas relações. Talvez a distância «imposta» seja benéfica em alguns casos… Mas o mais provável é que toda a instabilidade dos últimos meses tenha provocado danos em muitas relações, porque provocou mal-estar psicológico em muita (muita, muita, muita) gente. É importante agora tomar mais atenção às relações próximas, renovar compromissos, aumentar a dedicação. Nós não somos apenas um corpo físico. Somos muito mais do que isso e precisamos de muito mais do que ilusórias proteções da sobrevivência.

Entre os dias 28 e 29, a Lua passará pelo signo de Touro, em trígono com os planetas em Capricórnio. Esta energia é boa para o ganho de estabilidade e de segurança. Começamos a ver mais resultados dos esforços empreendidos.

E finalmente, no dia 30 temos o grande eclipse em Gémeos, junto da Cabeça de Dragão! Abrem-se caminhos à nossa frente (não só neste dia, mas nesta fase), porque temos mais informações de fontes diferentes, de experiências diferentes… É tempo de grandes novidades, de grandes notícias! Temos aprendido muito até agora e ainda temos vontade de aprender mais… A educação não devia terminar quando termina a escola. A educação e a aprendizagem devem continuar ao longo da vida, caso contrário, as nossas ideias estagnam e as nossas mentes «apodrecem».

Devíamos aproveitar este eclipse para renovarmos as nossas ideias, para procurarmos informação de forma mais ativa, sem ficarmos à espera de que ela nos chegue por outras partes. Não nascemos para sermos papagaios das ideias dos outros. Temos a capacidade de descobrir e perceber coisas por nós próprios. Temos de continuar a desenvolver o nosso sentido crítico, a nossa atitude questionadora. Quando só ouvimos uma versão dos factos, podemos ter tendência a segui-la como verdade absoluta. Mas será que há verdades absolutas? É altura de conversarmos, de nos ouvirmos, de percebermos outros pontos de vista, de nos adaptarmos… As coisas não são a preto e branco. E cada um de nós pode e deve contribuir para colorir a história do mundo.

Vamos lá pensar por nós próprios e dar mais atenção às ideias e projetos que queremos ver em andamento?

Gémeos é um símbolo de trocas entre pessoas e não apenas sob a forma de informações e ideias. É natural que este eclipse simbolize um pico, um culminar nestas trocas (e contágios). Vamos aproveitar para contagiar mais alegria, disseminar mais esperança e otimismo e vamos também aproveitar para apoiar os pequenos negócios naquilo que estiver ao nosso alcance. Acho que se tornou óbvio que estamos todos ligados de uma forma invisível. Vamos focar-nos para que essa ligação tenha efeitos positivos?

Existe agora uma maior potencialidade para reprogramarmos ideias base e crenças. O nosso cérebro acaba sempre por nos dar provas daquilo em que acreditamos. Por isso é importante não lhe dar frases feitas como «eu sou pobre», «eu fico sempre doente no inverno», «eu não sou capaz de fazer isso»… O cérebro vai arranjar maneira de nos comprovar tudo isso. Em vez disso, devíamos usar o poder das questões: «como é que eu posso conseguir isto?», «como é que eu posso tornar-me cada vez mais saudável?», «como é que eu posso organizar melhor a minha vida?»… Assim, o cérebro vai trabalhar para nos dar as respostas necessárias à melhoria das nossas condições.

Feliz eclipse, que seja repleto de boas novidades e de excelentes decisões!

A astrologia em Novembro

Trazer Luz às nossas sombras

Photo by Naveen Annam on Pexels.com

Este mês, temos três planetas que retomam o movimento direto e nos ajudam a caminhar em frente: Mercúrio, Marte e Neptuno.

Durante toda a primeira semana, Mercúrio está em quadratura com Saturno. São limitações da mente, notícias difíceis, conversas sérias. São tomadas de posição rígidas e controlo no que se diz e no que se pensa. Devemos assumir a responsabilidade das nossas palavras. Palavras e pensamentos são instrumentos com que criamos a nossa vida. Precisamos revê-los e apurá-los.

O Sol fará trígono com Neptuno, no dia 10, ajudando-nos a ganhar uma compreensão maior do que está a acontecer. É uma oportunidade para nos ligarmos ao que há de mais sagrado em nós, para crescermos em compaixão. É um auxílio energético precioso para lidar com outras coisas que estão em jogo, como a conjunção entre Júpiter e Plutão.

Dia 12, volta a haver uma conjunção exata entre Júpiter e Plutão (devido aos movimentos retrógrados, é a terceira deste ano, depois de uma em abril e outra em junho). Há um crescendo de medo e uma elevada consciência da mortalidade. Mas de que nos vale uma elevada consciência da mortalidade se não fazemos tudo o que tivermos ao nosso alcance para enchermos a nossa vida de sentido? Este aspeto faz rebentar os vulcões que há em nós, emoções reprimidas há anos (e há vidas), pode ser uma viagem ao nosso lado negro, mas o propósito não é que nos afoguemos em sombras. O propósito é levarmos luz às nossas trevas pessoais.

No dia 15, acontece a Lua Nova em Escorpião, que realça a necessidade de alumiarmos as nossas sombras. Vai trazer resoluções positivas, embora não sejam completamente agradáveis. Marte volta a ficar direto, nesta altura, e as nossas ações tornam-se também elas mais diretas e desembaraçadas. Contudo, Vénus, que está intimamente relacionada com a nossa sensação de bem estar e conforto, estará em quadratura com Plutão e Júpiter, mostrando uma energia conflituosa nas nossas relações (pessoais e em sociedade) e questões a resolver na área financeira. Será preciso tomar ações bem definidas para dar a volta estes obstáculos. No dia 19, Vénus fará quadratura a Saturno, denotando a separação, o sentimento de isolamento. Ainda antes, por volta de dia 16/17, teremos novidades que poderão estar por trás deste sentimento de separação. É importante libertar a mente, e isso vai sentir-se nesta altura – atitudes rebeldes crescem de um lado, atitudes controladoras crescem do outro. Todos podemos ver isto na sociedade, mas treinemos a observação do que se passa dentro de nós, dentro da nossa casa, dentro da nossa mente. É altura de mudar discursos, de mudar formas de pensar. A rigidez só serve para quebrarmos. A rigidez, a firmeza, o controlo vão aumentar bastante nas próximas semanas (até ao final do ano, com a conjunção entre Júpiter e Saturno). E se, em vez de nos focarmos no controlo, na rigidez, na destruição e no fim, nos focarmos nos compromissos que queremos fazer para os próximos 20 anos? Estamos a preparar-nos para isso, a aproximação de Júpiter e Saturno é o fim de um ciclo de 20 anos. O que está em queda é um mundo velho. E a construção do mundo novo começa a partir de agora. Essa construção não está nas mãos «deles». Está nas mãos de cada um. Cada um precisa de assumir a sua responsabilidade na construção do futuro. Cada um tem um papel especial e único nesta construção.

No finalzinho do mês temos o eclipse da Lua, em Gémeos, no dia 30. O tema central é comunicação, informação. Estaremos numa fase de busca de respostas, de procura de Verdade, com a atenção virada para uma perspetiva mais global, para decisões mais justas (Sol em Sagitário). Para isso, é necessário abrir espaço a estudos, a diálogos e discussões. O desassossego é grande, quando se abre um portal em Gémeos. Mas precisamos passar por ele para percebermos o outro lado da moeda. Precisamos passar por ele para descobrirmos alternativas, visões diferentes. E depois de fazermos uma viagem (talvez alucinante) por diferentes conceitos, ideias, opiniões, estudos, teoremas e até «leis», estaremos em melhor posição para adequarmos a nossa posição e estratégia.

Lua Cheia de Surpresas

No dia 31 acontece a Lua Cheia em Touro, em conjunção com Úrano. O que podemos esperar? Dias electrizantes, cheios de novidades surpreendentes (por vezes chocantes) e enormes mudanças. Sim, mais, muito mais. Atenção que isso não acontecerá apenas no dia 31, esta semana será um crescendo desta energia.

No signo de Touro queremos todos segurança, estabilidade, tempo para aproveitar o melhor do mundo e desta vida na Terra.

A passagem da Lua por este signo, normalmente, traz bons resultados, porque estamos mais despertos para as nossas verdadeiras necessidades e percebemos melhor como suprimi-las.

Contudo, a influência de Úrano pode ser bastante disruptiva. Úrano sacode-nos, acorda-nos da vida de zombies que levamos tantas vezes.

Estamos numa fase de investigações e pesquisas, com o Sol em Escorpião. E muitas desconfianças. Há muita fixação e obsessão em determinadas ideias, o que está na origem de enormes problemas.

Esta Lua Cheia pode ser utilizada a nosso favor para rompermos com os pensamentos e os comportamentos obsessivos que temos vindo a ter.

O mundo está em guerra, porque há uma guerra dentro de cada um de nós. Há medo, há desconfiança, há insegurança e há separação.

Todos gostaríamos de nos sentir mais seguros, mais confiantes no futuro. Contudo, temos vindo a acreditar que há forças exteriores a nós que nos roubam a segurança (vírus, governo, pessoas com diferentes pontos de vista…). E assim, todo o nosso poder é extraviado, abdicamos dele quando nos deixamos consumir pelo medo, pela indignação, pela revolta…

Apesar desta Lua Cheia anunciar um crescimento na revolta e uma atitude mais revolucionária, deveremos utilizá-la para voltar a perceber onde está a nossa segurança e o nosso poder.

A qualquer momento podemos escolher o que pensar. Não temos de pensar algo porque sempre foi o que pensamos e também não temos de pensar algo porque é o que nos dizem para pensar. O ser humano tem uma capacidade de adaptação surpreendente, assim como uma curiosidade que está na base de todos os avanços.

Quando desistimos de questionar, de tentar perceber, de ouvir o outro e até de nos fazermos ouvir… Onde chegaremos?

É altura de despertarmos para a vida (que vai muito além da sobrevivência).

É altura de nos realinharmos com aquilo que mais valorizamos, com aquilo que nos faz sentir vivos e felizes. É altura de sermos mais generosos: se não estamos a contribuir com algo que melhore a vida de alguém, estamos a fazer o quê?

A única constante da vida é a mudança e há alturas, como esta, em que isso é demasiado óbvio. Torna-se impossível continuar como temos andado. A nossa escolha está em decidir ser um agente de mudança ou uma vítima das mudanças que os outros provocam na nossa vida.

Acredito que o nosso espaço de manobra (liberdade) vai muito além daquilo que normalmente aceitamos.

Este ano, a mensagem que tenho interpretado tem a ver com tomada de responsabilidade e reconhecimento do poder pessoal. Muitas vezes, só damos valor a algo quando o perdemos. E talvez seja altura de voltar a reivindicar o que é nosso.

Está na altura de reivindicar a paz de espírito, a segurança interior. Está na altura de reivindicar a nossa presença total, porque se abdicarmos de estar aqui e agora (e isso acontece quando nos deixamos dominar pelo medo e pela ansiedade), estamos a abdicar das nossas responsabilidades pessoais e sociais e estamos a abrir mão de construir um futuro melhor.

Touro também está muito relacionado com as nossas finanças, que são um reflexo da forma como nos valorizamos e do valor que acrescentamos ao mundo. É altura de restabelecer o equilíbrio nesta área, também…

Feliz Lua Cheia 😊

Lua Nova em Balança

Photo by Sebastian Voortman on Pexels.com

A astrologia é uma interpretação de códigos, em que as posições relativas de planetas e estrelas vão resultar em mensagens acerca das nossas vivências.

A Lua Nova será amanhã, dia 16 de Outubro. Luas Novas marcam inícios e os dias anteriores a estes eventos chamam-se «Lua Negra», porque a Lua já está tão próxima do Sol que não se vê no Céu. Durante os períodos de Lua Negra, que antecedem cada Lua Nova, o melhor que temos a fazer é uma espécie de limpeza interior. São dias em que temos maior contacto com as nossas motivações inconscientes e por isso crescemos em auto-conhecimento e conseguimos decidir novos passos a seguir, novas etapas a delinear.

Mas este mês temos grandes reviravoltas para fazer.

A um primeiro nível, Lua e Sol em Balança impelem-nos a redefinir as nossas relações e os nossos contratos.

Photo by Gratisography on Pexels.com

A oposição a Marte sugere a criação de conflitos, afinal Marte é o «deus da guerra». Estes conflitos têm surgido, nos últimos dias, quando a vontade de um se tenta impor sobre a vontade de outro (ou de muitos). A mensagem por trás destes conflitos é um convite, a cada um de nós, para conseguir um equilíbrio na nossa vontade e nas nossas ações. Alguns andarão a fazer o que bem «entendem», sem pensarem nas consequências para os outros. Outros andarão sem fazer nada, por medo ou simples inércia. Mas nesta altura os dois polos encontram-se, surgem os conflitos, os desentendimentos, as discussões, e ambos os lados percebem que têm de alterar a sua forma de agir (faço figas por isso).

Mas ainda antes dos conflitos com outras pessoas ou na sociedade, deveríamos tratar dos conflitos dentro de nós. Por vezes chega a haver uma sociedade inteira dentro de uma só cabeça (mas talvez isso seja mais intenso em pessoas com forte energia de Úrano). Esta também é altura de equilibrarmos as nossas diferentes motivações e vontades. Grande parte do tempo não agimos a favor daquilo que seria melhor para nós, porque nem sequer pensamos ou decidimos como estamos a agir. Andamos simplesmente em modo automático, a fazer o que sempre fizemos e a reagir da mesma forma de sempre.

Esta fase será muito melhor aproveitada se pararmos um pouco para decidirmos quais são as nossas prioridades. Só depois de realmente compreendermos, de forma consciente, o que nos é mais importante, podemos alinhar as nossas ações de forma a conquistarmos uma vida plena de significado.

Photo by Polina Zimmerman on Pexels.com

Vénus, o planeta regente de Balança, está em Virgem (felizmente para Virgens, Touros e Capricórnios) e prepara-se para harmonizar a energia em Capricórnio. Este aspeto ajuda-nos a harmonizar as nossas relações no trabalho e com a família. Com trabalho e intenção, claro. Queremos fazer mais pelos outros e temos um pouco mais de gosto em realizar o nosso trabalho (algo de positivo que nasce de tantos impedimentos ao trabalho). A procura de métodos naturais de cura e de manutenção da saúde aumenta agora. Já Hipócrates disse: «Que a alimentação seja o teu remédio». Eu, por exemplo, que nasci com Vénus em Virgem, vendo-me obrigada a andar de máscara mais de 12 horas por dia, há umas semanas que comecei a aromatizá-las com óleos essenciais: hortelã pimenta, eucalipto, limão, lavanda,…

Photo by Pixabay on Pexels.com

Vénus também se prepara para fazer uma oposição a Neptuno, dentro de alguns dias, anunciando neblinas, dúvidas, incertezas, indecisões, desilusões. A vontade de escapar à «realidade» será mais que muita. Neptuno e Vénus juntos levam-nos a idealizar as pessoas, as relações, e até a nossa situação financeira. Há que ter cuidado com os gastos, porque Neptuno traz dissolução. Contudo, as coisas não são sempre boas nem são sempre más. Tudo vai depender da etapa de evolução em que cada um se encontra. Quanto mais conscientes nos tornamos, mais leves são os nossos «avisos». Além disso, este aspeto tem em si muitas sementes positivas, pois pode ajudar-nos a entrar em maior contato com a nossa intuição, com orientação divina. Ajuda-nos também no processo de nos colocarmos no lugar do outro, para ganharmos maior compreensão. Pode simbolizar uma etapa muito importante de união e de crescimento em Amor Incondicional.

Photo by Lennart Wittstock on Pexels.com

Convém não esquecer que Mercúrio, o mensageiro, continua retrógrado e em oposição a Úrano. É tempo de libertação e cura de traumas. O que quer dizer que eles se tornam muito conscientes. A verdade vai surgindo aqui e ali. Os despertares vão acontecendo aqui e ali. Todos os dias há novidades e acontecimentos inesperados. Nem sempre são agradáveis, mas incitam sempre à mudança de pensamento e levam ao borbulhar da Verdade. A sujidade não se pode varrer para debaixo do tapete para sempre. Vai chegar o tempo em que é tanta, que o tapete se levanta do chão.

Agir consoante a nossa verdade

Outubro está a ser um mês cheio de atividade e acontecimentos e assim vai continuar…

Mercúrio tem estado a fazer oposição a Úrano, agitando as nossas mentes, trazendo novidades inesperadas e mudanças a toda a hora. Mercúrio vai ficar retrógrado, por isso vai continuar a tentar fazer o possível (e às vezes o inacreditável) para que verdades sejam descobertas, para que as motivações sejam conhecidas…

Marte vai estar em oposição ao Sol, nos próximos dias, ao mesmo tempo que os dois fazem quadratura aos planetas em Capricórnio.

Enquanto vamos percebendo e descobrindo novos níveis de realidade e de verdade, descobrimos que devemos adequar as nossas ações. O Sol em Balança lembra-nos de ouvirmos os outros, mas também nos pede equilíbrio: há que ter cuidado com reações exageradas, decorrentes de traumas passados em que a nossa importância, enquanto pessoa única, foi desvalorizada… Mas também há quem tenha de ter atenção para não se continuar a “apagar” e a vergar à vontade ou às ideias dos outros, por medo de assumir a sua posição.

É altura de assumirmos as nossas verdadeiras posições e opiniões, não partindo para uma batalha, mas abrindo um campo de discussão, de escuta mútua.

Mudanças são essenciais, agora. E a abertura da mente também.

Hoje e amanhã já temos Vénus a fazer um trígono com Úrano, o que é um excelente aspeto para tomar medidas práticas que nos ajudem a voltar a estabelecer relações mais positivas, a abrir a nossa mente às possibilidades, a escutar de outra forma…

A nossa auto-estima também tem agora um bom impulso, que devemos aproveitar para seguir a nossa verdade de forma corajosa.

Desejo-vos um excelente fim de semana!

Lua Cheia em Carneiro

Começamos o mês de Outubro em cheio, com a Lua!

A atenção vira-se para o «Eu» – o que eu quero, o que eu preciso, o meu corpo, a minha individualidade.

Photo by ThisIsEngineering on Pexels.com

A Lua fará conjunção com Quíron, o «curador ferido», e por isso temos a oportunidade de sentir e perceber o que podemos fazer para curarmos o que precisa de ser curado – talvez seja o corpo, talvez seja a vontade (ou a falta dela), talvez seja a atitude reativa e exagerada…

Nesta jornada de crescimento e melhoria do «Eu», não estamos sozinhos, como é óbvio… Para a Lua estar cheia em Carneiro, o Sol está a iluminá-la do signo de Balança – o signo dos «outros», das relações, da busca do equilíbrio.

Photo by Tasha Kamrowski on Pexels.com

É através das nossas interações com os outros que nos vamos conhecendo e que percebemos em que sentido precisamos de ir «limando» a nossa personalidade, em que sentido precisamos de evoluir. Mas é também através dos outros que percebemos a nossa importância, o nosso valor… Uma das coisas que esta Lua nos vem lembrar é de que forma podemos honrar a nossa personalidade única e, ao mesmo tempo, ajudar os outros, fazer a nossa valiosa contribuição em cada uma das nossas relações, no trabalho, etc…

Além disso, continuamos a trabalhar com toda a energia em Capricórnio, que faz quadratura a Carneiro e Balança, na transformação da sociedade.

Portanto, este é um tempo para, realmente, voltarmos a centrar-nos em nós e no nosso caminho, mas sem esquecer a influência que temos nas nossas relações e no mundo à nossa volta.

Não temos poder sobre tudo, mas normalmente, temos mais poder do que pensamos. E se descobrirmos em nós o poder e a capacidade de nos tornarmos melhores, automaticamente estaremos a tornar o mundo melhor, uma pessoa de cada vez.

Marte é um planeta importante nesta fase, já que rege Carneiro e faz aspetos importantes a outros planetas.

Photo by Pixabay on Pexels.com

Marte está retrógrado, levando-nos a reconsiderar ações passadas a partir das consequências que tivemos. Então, temos de perceber agora que tipo de ações e comportamentos devemos eliminar ou reduzir, porque tiveram maus resultados nos últimos meses, e que tipo de ações e comportamentos devemos retomar, porque sabemos que já nos ajudaram a conseguir objetivos importantes.

A quadratura entre Marte em Carneiro e os planetas em Capricórnio levou-nos a sentir impedimentos e bloqueios àquilo que esperaríamos ser o fluxo normal da nossa vida… Sentimo-nos limitados ou até mesmo travados no nosso avanço. Tudo isto está a servir para tomarmos ações de forma bastante mais consciente daquilo que realmente nos motiva. E a motivação, a intenção, é o mais importante. Ou seja, para conseguir um mesmo objetivo, não há apenas um caminho. E se não estamos a ter bons resultados com o que temos feito nos últimos meses, agora estamos na altura de descobrir o porquê de estarmos a fazer o que temos feito, o que realmente nos motiva lá no fundo. E assim, com conhecimento da nossa motivação mais verdadeira, podemos adequar as ações, contornando os obstáculos (ou fazendo mesmo uso dos obstáculos) para chegarmos aos nossos objetivos.

Quem tem «Razão»?

Por estes dias estamos a sentir a quadratura entre Mercúrio e Plutão, que vai ser exata no dia 21 de Setembro.

O planeta que simboliza pensamento e comunicação (Mercúrio) liga-se (muito pouco harmoniosamente) ao planeta do poder, dos segredos, tabus e medos.

Mercúrio passeia por Balança e faz-nos pesar os dois lados (ou os muitos lados) de uma questão. É altura de debates quentes e é MUITO fácil que eles aqueçam demais e se transformem em conflitos de ideias, em que nos tentamos convencer uns aos outros de onde está a Verdade e a «Razão».

Esta é uma fase crítica de abertura de mentalidades e de alteração da forma como comunicamos.

A cabeça do Dragão está em Gémeos até 2022. Isto significa que estamos num período em que devemos procurar múltiplas perspetivas, devemos buscar informação de forma ativa, somos mais impelidos para aprender sobre múltiplos assuntos e somos chamados a pôr o raciocínio lógico em ação. Temos de avaliar até onde deixámos crescer a nossa atitude de credulidade e deixámos de alimentar a nossa mente científica: a parte de nós que tem curiosidade, que questiona, que coloca hipóteses, que testa e verifica o que é Verdade e o que não é.

Uma coisa não é Verdade porque sai da boca de alguém prestigiado, porque é impressa em jornais (ou num blog). Uma coisa não se torna Verdade por ser repetida milhões de vezes. Ou torna?

Galileu foi condenado por afirmar que o Sol e os planetas não giravam em torno da Terra.

Temos, perante nós, uma oportunidade ENORME de investigar e descobrir, de aprofundar o nosso conhecimento sobre o mundo, de alargar ou mudar o nosso conceito de Verdade. E melhor ainda, temos a oportunidade de nos conhecermos a nós próprios, a um novo nível.

Mas para isso, precisamos de questionar, de continuar curiosos, de querer aprender…

E precisamos de vigiar aquele lado de nós que quer ter razão a todo o custo. As tempestades não são só na rua. São principalmente dentro de nós e dentro das nossas relações. Podemos dar por nós a exigir bruscamente algo que seria muito mais fácil de conseguir se o pedíssemos com abertura, honestidade e cordialidade.

Para quem tem vontade de crescer e de desenvolver a sua consciência, estes dias podem alargar imenso os horizontes e transformar, de uma forma muito positiva, a maneira como escutamos e como nos expressamos.

Que os vossos arco-íris sejam belos!

Lua Nova em Virgem

Desbloquear caminhos

17 de Setembro de 2020

Esta Lua Nova pede-nos que entremos de novo em contacto com a sabedoria do corpo, com a sabedoria da Terra.

É altura de nos voltarmos a comprometer com a Natureza em nós e à nossa volta, melhorando a qualidade dos alimentos que escolhemos para construir o nosso corpo, sintonizando os nossos ritmos com os ritmos do Sol e da Lua, marcando uma presença mais próxima com espaços verdes…

Quando não estamos totalmente presentes na nossa vida é porque andamos anestesiados de alguma forma, tentando fugir de coisas que achamos que nos causam sofrimento (ou pelo menos insatisfação). Levar a vida em piloto automático faz com que, de vez em quando, acordemos sem saber onde estamos.

Agora somos chamados para realmente estarmos presentes e voltarmos a organizar as nossas vidas, trazendo mais ordem e focando-nos no trabalho, no serviço que temos de fazer.

É altura para nos livrarmos de coisas que não nos servem, que não nos são úteis ou nem nos trazem alegria. Aliviar a casa de tralha acumulada ajuda a energia a voltar a fluir de forma mais saudável.

Não é só a casa que precisa de ser organizada. O corpo e a mente também beneficiam agora da oportunidade de se renovarem e purificarem. É uma altura excelente para retomar ou desenvolver práticas que nos devolvam o bem-estar e o sentido de utilidade.

Cada um de nós tem uma maneira especial de expressar a sua forma única de ser, ao mesmo tempo que contribui para facilitar, de alguma forma, a vida de outros.

Estamos numa fase de desbloqueio de caminhos, não por sorte ou destino, mas por estar na hora de tomarmos decisões e de assumirmos compromissos que implicam alterações nas nossas rotinas e nos nossos hábitos. Ao tomarmos estas decisões, devemos avaliar em que sentido devemos simplificar e tornar as nossas vidas mais práticas.

Podemos ter chegado recentemente a um impasse, podemos ter-nos deparado com um emaranhado na nossa passagem ou um muro à nossa frente.

Esta Lua chama-nos de volta a nós e pede-nos que usemos uma atenção minuciosa aos detalhes para nos desemaranharmos dos enleios da vida. Esta Lua também nos lembra das possibilidades e da importância da ajuda mútua. Por maior que um muro possa parecer, ele pode ser desconstruído pedra por pedra, com dedicação e persistência. E se nos ajudarmos uns aos outros a desfazer estas barreiras, mais depressa conseguiremos voltar a seguir em frente.